Depressão e Bariátrica

Partindo de discussões recentes e, particularmente, de eventos destacados pela SBCBM, torna-se evidente que a relação entre depressão e bariátrica tem ocupado as manchetes. O principal impulso para este foco crescente deriva do aumento notável nas cirurgias bariátricas. Além disso, surge uma inevitável necessidade de ponderar sobre os impactos físicos e emocionais que estes procedimentos podem trazer consigo. A conexão entre bem-estar físico e mental, nesse contexto, emerge como fundamental para assegurar uma restauração completa dos pacientes.

Depressão e Bariátrica, Quem faz bariátrica pode ter depressão?
Depressão-Bariátrica

Desvendando a Depressão

A depressão transcende um mero sentimento efêmero de melancolia. Na realidade, ela se estabelece como uma condição médica crônica e alarmante. Ela se revela por meio de sintomas que extrapolam o universo da tristeza, incluindo irritabilidade aguda, alterações no apetite e distúrbios no sono. Curiosamente, estudos indicam que uma grande parcela da população recebe o diagnóstico de depressão entre os 30 e 40 anos, período que, coincidentemente, coincide com o momento em que muitos consideram a cirurgia bariátrica.

Aprofundando-se na Conexão entre Depressão e Bariátrica

Durante conferências patrocinadas pela SBCBM, uma série de especialistas tem se esforçado para desmitificar a ideia de que a cirurgia bariátrica induza diretamente a depressão. Conforme diversos relatos, parece que os pacientes, por variadas razões, tendem a não expressar completamente suas preocupações e sentimentos para as equipes multidisciplinares durante o processo. Entretanto, pesquisas atuais sugerem que, em vez de causar malefícios, o procedimento pode até fomentar avanços notáveis na saúde mental dos indivíduos.

No entanto, não se pode ignorar a possibilidade de desafios emocionais emergirem após a cirurgia. No caso da depressão já se fazer presente, a fase pós-operatória pode intensificar e evidenciar essa condição, tornando a intervenção terapêutica uma necessidade premente.

A Importância Capital do Acompanhamento Psicológico

No percurso que engloba as fases pré e pós-operatórias da bariátrica, a presença de uma equipe multidisciplinar vigilante torna-se indispensável. A inclusão de profissionais em psicologia e psiquiatria não só é recomendada, mas é vital, pois eles guiam o paciente através das transformações físicas e emocionais que advêm do procedimento. Portanto, qualquer pessoa que cogita a cirurgia deve se submeter às avaliações destes especialistas, garantindo que eventuais preocupações de saúde mental recebam a atenção e tratamento necessários.

Ao se debruçar sobre os temas da depressão e bariátrica, percebe-se que, apesar de existirem áreas de sobreposição, não se pode afirmar uma correlação direta de causa e efeito entre eles. Assim, pacientes e profissionais devem estar armados com a informação e o suporte adequados para enfrentar possíveis desafios emocionais em qualquer etapa do tratamento bariátrico. A informação robusta, juntamente com o suporte contínuo de uma equipe bem-preparada, desempenha um papel crucial no bem-estar global dos pacientes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima